VaLiSe do Medo

 

por F Chagas

__________

Existe sempre um momento em que o medo

assume a desistência de um segredo

ganha corpo, ganha brilho

nos olhos de quem ama e de quem não ama

 

Nas frestas do dia penetra,

lobo atrás do pouco que resta

de ânimo na alma,

a água que se espalha

nos nossos pés fugidios

na réstia da porta

 

Ontem foi assim

amanhã será a ponta cinzenta

da lança

na margem serena da aurora

e não haverá palavra

capaz de romper a crosta

do que se avoluma e forma a pele do dia

 

Quem sabe um samba possa

da voz de quem herdará a noite

tocar de leve no monstro e lhe mostrar a saída

 

Arte: Marco Aqueiva a partir de Irwin Klein (fundo), Goya, Arnold Böcklin e Picasso.
Anúncios

2 Respostas to “VaLiSe do Medo”

  1. Que belo poema, Chagas!
    Um abraço,
    Adriana.

  2. Que legal, Adriana.

    O Marco como sempre dando aquele toque!…

    Valeu mesmo!

    Um braço pra vocês.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: