VaLiSe que oS PAIS deixam aos FILHOs

Talvez não seja ocioso dizer que ESTA POSTAGEM É UMA VALISE SOLIDÁRIA! 

 

Vilma,

 

Nasci filha de escritor. Doei para o meu pai, desde o meu nascimento, longas horas  da  minha  infância  e  da  minha adolescência.  Meus  irmãos  doaram outras tantas horas.

 

Minha mãe dividiu o marido, durante décadas, com sua amante, a literatura. Mas meu ciúme de criança foi se atenuando, ao longo dos anos, e mais ainda com o chegar da maturidade. Passei a admirá-lo, respeitá-lo, reverenciá-lo. Principalmente,  passei  a  compreendê-lo.  Literatura,  para  o  meu  pai,  o escritor Alaor Barbosa, é e sempre foi devoção. Triste do filho ou da filha que não respeita e nem compreende as devoções paternas.

 

Assim  como  você,  também  sou  herdeira de uma obra literária. Grande, extensa, profunda, séria. Fruto de muito trabalho, pesquisa e esforço, feita com paixão e talento. Obra reconhecida e tantas vezes premiada. Falo de quase meio século de produção literária, tempo bem maior do que eu mesma tenho de vida. Meu pai, Vilma, já era escritor antes de eu nascer.

 

Tenho a sorte de ter meu pai comigo, avô carinhoso das minhas filhas, em almoços de domingo. Vivo, feliz e produtivo. Mas já estou de posse da herança que ele me legou. Foi uma partilha sem desavenças, entre a família e os amigos. Não a herança material, mensurável, quantitativa, que se deposita em conta bancária. Desta, basta-nos o óbolo de Caronte. O que recebi de meu pai foi um norte, um rumo, um equilíbrio, um eterno buscar da verdade. O amor e o respeito por tudo de bom que o ser humano já produziu.

 

Você, Vilma, também recebeu uma herança. Magnífica herança, portentosa, imensurável. A herança de um gigante. A herança de um gênio, primus interparis. Temos, portanto, responsabilidades. Eu e você. A minha, talvez mais leve, é a de impedir que a herança de meu pai seja aviltada, desqualificada, vilipendiada. Isso, tenha certeza, não acontecerá. As inverdades, calúnias e difamações são muito fugazes e, uma vez reveladas, deixam despida aquela que as inventou. Aliás, é assim que eu vejo você: despida, nua, pelada. Porque mais marcado será sempre o caluniador do que o caluniado. Já a sua responsabilidade, Vilma, é a de não abastardar, não apequenar, não diminuir a sua herança, o seu legado. A obra do seu pai é universal. Não a amesquinhe, não a reduza a herança à estatura da herdeira.

 

Num país como o nosso, Vilma, tão carente de cultura, tão necessitado de modelos, tão merecedor de exemplos, resta-me recordar as palavras de outro ídolo de meu pai, Monteiro Lobato, cuja biografia para crianças também saiu da máquina de escrever Olivetti que havia na biblioteca lá de casa. Lobato disse que Um país se faz com homens e livros. Você, portanto, quando tenta impedir a existência de um livro, de uma obra literária, espanca a inteligência nacional, ofende a tantos que tombaram em nome da liberdade e do direito de expressão e do livre pensamento! Talvez, Vilma, seu tempo tenha passado. Imagino você mais feliz vivendo uma outra época – mais escura do que a de agora. Talvez sob o Estado Novo ou abrigada pelo AI-5. Imagino você, Vilma, com um carimbo de censura na mão, – arma  formidável! – detentora exclusiva da faculdade de permitir ou não que alguém leia, fale ou pense. Para nossa sorte e infelicidade sua, vivemos tempos mais claros. E você, faça o que fizer, diga o que disser, jamais impedirá meu pai de ler, escrever, falar ou pensar. Nem meu pai nem ninguém.

 

Portanto, Vilma Rosa, não acenda fogueiras com livros. O fumo do livro incinerado escurece uma Nação.

 

Cada um de nós tem seus próprios ídolos. Sorte do meu pai, que fez boas escolhas. Os seus, parecem ser o Index Librorum Prohibitorum, o Santo Ofício, Savonarola e Torquemada. Talvez, até Herr Goebbels… Eu, que também tenho os meus, cito um deles: você vai amargar vendo o dia raiar sem lhe pedir licença…

 

Lembre-se, Vilma, você é apenas uma filha. Você é apenas uma herdeira que avilta a herança magnífica que recebeu.  Pena constatar que nem tudo que Guimarães Rosa nos deixou é tão bom quanto a sua obra literária.

 

Noemia Barbosa Boianovsky

 

Arbitrária Tentativa de Censura

 

Já ganhou a atenção da imprensa e de instituições de direitos autorais e de defesa da liberdade de expressão, como a ABI e ANE, o intento de herdeiros de autores, quando não dos próprios biografados, de querer impedir a publicação de biografias. Mais de uma vez a UBE abordou o problema, posicionando-se, como é sua obrigação, contra essa forma de censura que se mascara de proteção de privacidade. De novo em pauta uma nova intenção de proibição, que busca o apoio da justiça onde ele é indevido e inoportuno. Em pauta agora a busca de interdição, isto é, de censura, do livro de Alaor Barbosa Guimarães Rosa.

___________________________

Fonte:  http://www.ube.org.br/home.php . Para maiores informações, basta acessar o mesmo endereço da UBE União Brasileira de Escritores, onde se dispõe de um bom material sobre o caso.

 

Arte: Marco Aqueiva a partir de obra de Rafael Olbinski + foto e imagem da grande queima de livros pelo nazismo e por Savonarola
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: