VaLiSeS meta-PoéTicAs ii

 __valise_metapoeticas3

Cancro

por Carlos Pessoa Rosa

 

de que oceanos
estas pedras de ouro?
de que hortas
estes homens de ferro?
de qual poema
esta inspiração papoula?

e o carro
segue no desdentado da pausa
no tom ascendente de crimes estrelares
entre o riso do fruto
e o choro minguante de orquídeas prenhes
que o parto é logo ali
no debruçar do vento alijado de sopros

de que mina
estas águas empoçadas?
de que fonte
estes frutos em ferrugem?
qual papoula
o poeta serviu ao poema?

e a pausa
escorre nos segundos da neve
no frio cadavérico das mesas de alumínio
entre a náusea do feito
e o vômito de um corpo apodrecido
que o fim é logo ali
no tempero de flatos recheados de legumes

: de quando nascentes
aspiram regras de triângulos isósceles
se poema amorfo
não pega doenças venéreas?

 

 

 

valise_regarder-copy

 

A Criação e o Criador

por Murilo Mendes

 

 

O poema obscuro dorme na pedra:

 

“Levanta-te, toma essência, corpo”.

 

Imediatamente o poema corre na areia,

Sacode os pés onde já nascem asas,

Volta coberto com a espuma do oceano.

 

O poema entrando na cidade

É tentado e socorrido por um demônio,

Abraça-se ao busto de Altair,

Recebe contrastes do mundo inteiro,

Ouve a secreta sinfonia

Em combinação com o céu e os peixes.

 

E agora é ele quem me persegue

Ora branco, ora azul, ora negro,

É ele quem empunha o chicote

Até que o verbo da noite

O faça voltar domado

Ao pó de onde proveio.

 

 

+_+_+_+_+_+_+_+_

 

 

 

A Inicial

por Murilo Mendes

 

 

Os sons transportam o sino.

 

Abro a gaiola do céu,

Dei vida àquela nuvem.

 

As águas me bebem.

 

As criações orgânicas

Que eu levantei do caos

Sobem comigo

Sem o suporte da máquina,

Deixam este exílio composto

De água, terra, fogo e ar.

 

A inicial da minha amada

Surge na blusa do vento.

Refiz pensamentos, galeras…

Enquanto a tarde pousava

O candelabro aos meus pés.

 

 

Anúncios

5 Respostas to “VaLiSeS meta-PoéTicAs ii”

  1. Belos poemas… Abração aew!

  2. As palavras que nos escrevem…

  3. Isso de alimentar poemas com papoulas ainda vai deixar o poeta louco!
    Ou será que o poeta é justamente a cura pra loucura faminta dos poemas?

    E a noite que não me deixa dormir…….
    Beijucas

    Querido, deixe seus comentários lá nos posts também.
    😉 Vou adorar.

    PS: Manda teu email pra mim? Quero te mandar uma música.

  4. Que triângulo Poético!

    Uma Valise dessas desenferruja qualquer hipótese e feito ” águas de março” remamos…

    Abraços Carlos, abraços Aqueiva
    e
    :
    a Murilo Mendes, esteja onde estiver, palavras muitos Vivas!!!

    Carmen Silvia Presotto
    http://www.vidraguas.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: