VaLiSeS meta-PoéTicAs Xiii

__valise_metapoeticas1

 

A coisa nervosa

por Álvaro Andrade Garcia

 

essa coisa pé

que não larga da gente

 

essa coisa pó que coça

 

essa coisa incômodo feita do nó

do pó de mico do pó da coca

 

essa coisa ôca

que anda sempre de ré

 

essa coisa nervosa

que estipula os dias de calor

 

faz zoarem bigornas e buzinas

os nervos automóveis

 

as ruínas, os ruídos por toda parte

 

tenho cinco dedos

e mãos de guaraná tirano

 

zinem os tímpanos

as baquetas que não param

 

coço os cílios

os vidros do meu cenário

 

sou um canário reluzente

lotado de pó

 

tenho cinco sentidos insanos

e coceiras por toda parte

 

que gesto me trouxe essa régua

 

essa medida toda nervosa

da cabeça aos pés?

_+_+_+_+_+_+_+_

 

LARA, Camilo; NOVAIS, Carlos Augusto; DOLABELA, Marcelo. Antologia Dezfaces. Belo Horizonte, 2008.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: