Arquivo para junho, 2009

VaLiSeS meta-PoéTicAs XxviI

Posted in artes plásticas, Domingos da Mota, literatura, Literatura Portuguesa, literature, Metalinguagem, Poética, poema, poesia, Poetry, semiótica on 5 junho, 2009 by Marco Aqueiva

Duchamp_dança

 

Prelúdio

por DOMINGOS DA MOTA

 

 

Ressoam nas colinas do silêncio
as palavras paradas, por dizer:
sustidas, refreadas, frias, tensas,
apetece libertá-las, a saber,
avivar a língua, silabá-las,
atear-lhes a voz, pô-las a arder,
despertar-lhes os sentidos – e afagá-las
comprazidas num corpo de mulher.

Apetece acolher, pegar em duas
ou três das palavras soltas, nuas
e com elas longamente conversar;
e manter a mais rouca, mais bravia
– prelúdio matinal da rebeldia –
sobre as dunas do tempo a galopar.

*_*_*_*_*_   @ _ @   _*_*_*_*_*

Collage: Marco Aqueiva sob placas pratos e gramática Duchamp

VaLiSeS meta-PoéTicAs XxvI

Posted in Crítica, literatura, Literatura Brasileira, literature, Metalinguagem, Poética, poema, poesia, Poetry on 3 junho, 2009 by Marco Aqueiva

sol valise__

 

poema

por LAU SIQUEIRA

o poema é
a nudez que me veste
na mesma derme que
rasga as algemas e os
vetores do nome que sou
quando apenas respiro
fraudulento de minha espécie
pensando sentindo sentindo
pensando

(………)

queria cinco
pares de unhas afiadas para escrever
meu poema pelas paredes
como uma grafitagem de beleza
escondida nos becos

(………)

penso arrancar as telhas para ver
melhor a lua

(………)

arrancar as telhas já vale o poema

(………)

penso que poema algum é tudo

(………)

penso com minha alma de veludo

 

 

.

de Texto Sentido, 2007

 

.