VaLiSeS meta-PoéTicAs XxxiiI

valise_regarder copy

 

Ossos do ofício

por MÁRCIO ALMEIDA

 

O poema tem por função dar prazer,

ser a crítica de si mesmo, matar a fada,

o direito de sentir e de não ser,

promover a recepção do nada.

E dito assim – malícia natural,

que de tão óbvio é de si estranhamento,

voz que vê fundo numa forma de coral,

ritmo que pensa e faz festa de momento.

Trazer para fora o que é preciso não dizer,

que é “dito, dado, consumado”, tudo.

Restam o diálogo e a memória do escrever,

a escritura que reinventa o seu futuro.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: