E nem Enem (novela crítica) ii

Professor

Mas isso é lá com o Benê, teria dito um dos atravessadores. A certeza estava lá. Na lábia. Para ganhar comissão. Acreditemos nos sinais: um contato telefônico e a Moral da Cegonha: ignorância real das coisas + fala de imaginação + sentimento de autoridade ante a prole entre indiferente e curiosa. E o dono de pizzaria oferecendo pizzas a quatro dias da prova? E nem que a prova tivesse sido aplicada, a alegria da pizza com  guaraná seria mesmo para depois do Carnaval. A prova dos nove não é o vestiba. E quem mesmo vai pagar os R$ 34 milhões da pizza? Isso, é bom mesmo que se saiba, é lá com o Benedito…

Anúncios

Uma resposta to “E nem Enem (novela crítica) ii”

  1. Meu amigo, quando surgiu a ideia de um exame promovido pelo (des)governo federal, cantei em todos os cantos que o objetivo era facilitar para filhos de deputados, senadores, governadores, desembargadores, juízes etc. Qual a confiabilidade do poder constituído? Nenhuma! Absolutamente nenhuma! Está aí! Os incompetentes para entrar em universidades sérias arranjaram um ‘jeitinho’ para atingir o objetivo. Acontecerá alguma coisa, alguém pagará pelo crime? Piada…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: