Archive for the conto Category

Num Café

Posted in Art, artes plásticas, conto, literatura, Literatura 2010, Literatura Brasileira, literature, música, Philip Glass, semiótica on 28 julho, 2010 by Marco Aqueiva

MIGUEL WESTERBERG - 2008 - Conversas no Café a Brasileira Chiado Lisboa

Por Marco Aqueiva

——————————————

Será mesmo um café? Relê. Acesso restrito a escritores e poetas. Luz convidativa. Entrada à direita livre. Ele lá fora num boteco sujo entre dejetos e dívidas. À esquerda põe os grandes olhos no bolinho de carne. Minhocas brotando do tecido orgânico que come. Esfrega os olhos e o verso do bolso quando a grama acaba. A alma do negócio é sempre uma receita contra o tédio. Mas será mesmo aquilo um café? Juntam-se agora aos dejetos, dívidas e dúvidas aquela que passa olho na perna. Será mesmo ela entrando no café que as memórias sentimentais me deixou rever? Ele lá na malhação dos olhos e da boca pesados de chorume. Minhocas, repete para si mesmo. Ele lá sem colírio ou listerine. No tráfego intenso atrás das bem fornidas pernas que entram, sem olhar para trás, à direita.

Imagem: MIGUEL WESTERBERG – 2008 – Conversas no Café a Brasileira Chiado Lisboa

anTeNe-Se na VaLiSe inConSpuRcáVeL (parte Ii)

Posted in Art, arte, Arte engajada, artes plásticas, Carlos Pessoa Rosa, conto, literatura, Literatura 2010, Literatura Brasileira, literature, Musica cubana, narrativa, prosa ficcional, semiótica, Silvio Rodriguez, Valise 2010, Valises on 29 junho, 2010 by Marco Aqueiva

PITANGAS IMPLODEM MÊNSTRUO 

por Carlos Pessoa Rosa

                  _______________

 

lances de escada avançam sobre a língua de fogo. o rei debulha grãos de idéias sobre o tapete vermelho enquanto a mulher rosna melancolias e roça ostras no fundo de saco. há uma chuva melancólica de fim de tarde que abraça o vazio contendo em seu corpo a morte. que túmulo receberá o corpo sorumbático de um rei sem coroa enquanto a mulher gralha a melancolia transgênica em fim de tarde?

(úmida tarde onde repousa um véu crepuscular e o homem é espremido como pasta de dente. de seu interior sai o branco das baratas.)

ao longe estradas descansam mundanas. no céu desponta a Lua diante dos dedos do cego de Diderot. ah, delírios dos impertinentes! da ferradura de Baco, da papoula incandescente da loucura, do pó branco que avassala a ordem das palavras. é da mulher o mênstruo incontido do gozo; do homem a umidade das uretras virgens. há uma escada que sobe sobre as chamas a caminho do inferno, um rei uma rainha um homem uma mulher nos óvulos da noite que nenhuma criança ou poeta alcançam nesta orgia de palavras frases imagens soltas.

(mão de obra é a orgia incandescente da escravidão quando as mãos de miseráveis ardem no calor das injustiças.)

vasculha basculha entorse dor de dente mão no bolso bueiro. plúmbea chove
urubus e rosas. pitangas implodem mênstruo, o clitóris adocicado da boceta dos deuses. o imaginário frestas raios porvir. há uma ave migrante de solo pátrio estrangeiro e a cruz no chamamento. plúmbea chuva ostras e rastros. pássaros gorjeiam gozos. umidade no campo ora. o sino cala a igreja onde Deus imola e o poeta masturba palavras. há palavras soltas no pasto, loucura de Eros, cobra em posição de bote, no aguardo. não demora carrapatos festejam o sangue quente de quem venceu tânatos e as heras continuam a agarrar-se nas paredes.

(natal ao miserável é consumir a falta. dois cães aguardando restos seria mais aceitável, mas são seres humanos os dois de cócoras roçando o fundo de latas na calçada.)

cúmulus em tarde ensoluada, o vento descansa no prado, tudo é silêncio nos galhos e copas das árvores. em algum lugar homens guerreiam (por aqui nem uma bala perdida). cercas blocos argamassa vagas não arredam pé do descanso. meu corpo como churrasco nos vãos dos mistérios, noite se achegando fria à caça de sonhos e pesadelos, arremedos do que na vida claustrofóbico. o diabo arranca água e duas luas de um coco. ao longe o apito de um trem, de uma estrada de ferro inexistente…

(e os viajantes na impossibilidade de um destino.)

 

_     ((((   +   ))))     *****    ((((   +   ))))    _

Imagem: Marco Aqueiva

uM cOnTra TOdOs, MenOs Um

Posted in conto, crônica, literatura, Literatura 2010, Literatura Brasileira, literature, Terrorismo de Estado, Valise 2010 on 2 junho, 2010 by Marco Aqueiva

Saídos enfim da Liberdade, entre Paraíso e Consolação, entramos eu, Creúsa e tropa, absolutos e definitivos, em Gaza trazendo a cura.  Desde então adotamos por força da paz a estratégia de monitorar, com os cem olhos de argos, todos os acessos ao território porque tínhamos armas e o remédio. Entrada e saída rigorosamente controlados. Havia a casa dos recém-chegados. Depois os refugiados eram encaminhados para casas inclusivas. Havia a das crianças de pré-escola. A das crianças irrealizáveis. A das gestantes crepusculares. A dos idosos incompletos. Quando nos informaram da chegada dos barcos, tínhamos improvisado não aqui, mas lá, mais além da paciência mediana, um porto improvisado. Fomos ao encontro deles que reagiram. Sim, sabemos que com estilingues e bolas de vidro. Sim, também sabemos que encontramos caixas e caixas de espelhos e água mineral. Somos os eleitos. Determinamos o centro, o meio e a extensão do mundo. Dominus vobiscum, que cabe sim a nós escolher como dar visibilidade ao terror.

_______________

Texto: Marco Aqueiva

Imagem: Francisco Goya

                                                                                 ___________________________

                                                                  chave sígnica:

                                                                  uM = Israel

                                                                  Um = Estados Unidos

Da VaLiSe do Talking Heads

Posted in Art, arte, conto, literatura, Literatura 2010, Literatura Brasileira, literature, mídia, música, semiótica, Talking Heads, Talking Heads Psicokiller, Valise 2010 on 9 fevereiro, 2010 by Marco Aqueiva

Por Marco Aqueiva

Uma mala sem alças não quero. Disse-lhe. Ele exigiu. Quando falar comigo olha-me nos olhos. Ele repetiu com indiferença fingida. Sem ter o ar de ver-me insistiu. Quando falar comigo, olha-me nos olhos. Não, não posso correr-me daqui numa mala sem alças. É a última vez que te digo, olha-me nos olhos. Sinto correr no corpo todo aquele ímpeto a partir de mala e… Sem que terminasse a frase, e olhando-a nos olhos. Tu bem sabias. Tu bem sabias com quem está lidando. Não adianta mais, Miss Dólar. A pele é passageira. Meu corpo bonitinho corre pro ralo. Sua vagabunda, olha nos meus olhos quando fala. Viu então nitidamente aproximar-se uma bandeja de prata com ódio, a fumaça a sair das ventas e a faca a cortar-lhe definitivamente os calcanhares.

Matador Psicótico

Da VaLiSe de Adam Ant

Posted in Art, arte, conto, literatura, Literatura 2010, Literatura Brasileira, literature, narrativa, semiótica, Valise 2010 on 9 fevereiro, 2010 by Marco Aqueiva

 

Por Carlos Pessoa Rosa

         _______________

 

Odeio o sujeito. Mas seu rosto é fotografia na parede da memória. Ao chegar, eu já me encontrava imobilizada. Nua. Meu corpo suado debaixo de um cone de luz. Já não apertava mais as coxas para esconder o sexo. Mataram qualquer expressão de vergonha. As pernas abertas como as da prostituta que aguarda a próxima moeda; como o cofre da infância. Um metro e sessenta; não mais. Não me esqueço dos passos do coturno, e da valise que depositava sobre a mesa velha e engordurada. Como esquecer o nariz rosáceo e as enormes sobrancelhas negras… As mãos pequenas a abrir a valise sadicamente, com a lentidão das lesmas. De lá retirava o chicote, o alicate, agulhas de diversos tamanhos, velas, fósforos, gel condutor e chumaços de algodão que enfiava em minha boca para que não gritasse. Quando todos os recursos não me levavam a alcaguetar algum companheiro, abria a braguilha, retirava o pau duro – excitava-se com a tortura – e o levava até minha boca. Naquele dia… Ah! Naquele dia, olhava a valise, havia lá um dente e uma unha que me arrancara um pouco antes… Colecionava nossos pedaços. Decidida, mordi com tanta raiva o membro, que guardei comigo sua glande. Hoje vivo em uma cadeira de rodas, fruto do espancamento que se seguiu. O que senti? Ouça The Ants-Whip in my valise. Há um chicote na minha valise oh yeah/Who taught you to torture? Quem te ensinou a tortura?/ Quem te ensinou?Who taught you to torture?

 

The Ants-Whip in my valise

H2Horas – o filme

Posted in Art, arte, cinema, conto, Cronópios, literatura, Literatura 2010, Literatura Brasileira, literature, Metalinguagem, poema, poesia, Poetry, semiótica, Valise 2010 on 6 fevereiro, 2010 by Marco Aqueiva

 

Um autor faz uso literário da palavra. Outro também. E aquele outro? Ele também.

Um caminha. Outro faz o mesmo. E aquele outro? Também ele caminha.

Um atravessa ruas, pontes, jornais e revistas, páginas de poemas e romances, jornais. E os outros autores? Também.

São tantos os caminhos, passagens, paisagens, hábitos, hálitos, fios de alta tensão, separando-nos, isolando-nos que a arte talvez seja o único instrumento que possa mesmo nos apontar uma possibilidade de outra coisa, reintegrando no homem a humanidade do convívio,  antes que o poeta, condenado à experiência solitária, não vá além da experiência solitária da palavra.

O propósito deste arrazoado curto é dizer que, no âmbito da web artística, o grande e último lançamento de 2009 é também o primeiro grande lançamento de 2010. E não consigo vislumbrar nada melhor que venha pela frente que não saia do Cronópios!

Só por isso vale assistir ao video linkado abaixo.

http://www.cronopios.com.br/h2horas/

 

SonhoS reBuçaDoS na VaLiSe

Posted in conto, crônica, literatura, Literatura Portuguesa, semiótica on 21 junho, 2009 by Marco Aqueiva

Salvador Dali_nino

 

por BELMIRA BESUGA 

 

O meu Pai sonhava rebuçados ao sábado de manhã, e contava histórias ao sábado ao serão, também nos outros dias, às vezes. O meu Pai, assava batatas-doces para nos dar de prenda na noite de Natal, e na festa anual lá na terra, comprava uma camioneta de brincar cheia de bonecas em fios de pendurar ao pescoço – a camioneta, para o João, único rapaz, os fios, para nós as raparigas.

O meu Pai, que sonhava rebuçados e contava histórias e assava batatas-doces e comprava uma camioneta de brincar carregada de bonecas de enfeitar, agora, é a estrela mais brilhante e segura do céu. É de lá que continua a ensinar-me a sonhar.
Desde sempre, também, fomos habituados a conviver com todos os que, de passagem mais ou menos breve, sempre nos deixavam qualquer novidade em termos de experiência de vida. Aos “Ciganos de passagem” o meu pai fazia a barba, para eles preparava uma açorda que lhes reconfortava a existência andante, e seguiam caminho, acompanhados ainda de um talego onde cabia um pão, linguiça, azeitonas e o calor da atenção com que todo este processo se desenrolava.

 

publicado em A minha travessa do Ferreira

http://aminhatravessadoferreira.blogspot.com/

+_+_+_+_+_    

imagem: Salvador Dali

Mais uma VaLiSe à InfÂncia

Posted in Art, arte, artes plásticas, conto, literatura, Literatura Brasileira, literature, Paul Klee, semiótica on 13 maio, 2009 by Marco Aqueiva

paul klee

 

CAIXA DE MEMÓRIAS – O BALÃO

Por HENRIETTE EFFENBERGER

  

No dia em que completei oito anos, meu pai me surpreendeu com um presente inesquecível: um balão enorme, nas cores amarela e preta, onde estava escrito o meu nome e a data 29.06.1960.

Estávamos no quintal da casa de meus avós quando ele me sugeriu que escrevesse uma cartinha a São Pedro e me disse que,  quando o balão chegasse ao céu, o santo porteiro ficaria tão feliz que atenderia todos os meus desejos.

E enquanto meu pai e seus amigos finalizavam os ajustes necessários no balão, sentei-me na soleira da porta da cozinha e redigi o que acredito tenha sido minha primeira correspondência (descontando-se, é claro, as cartinhas que já tinha escrito ao Papai Noel!).

Lembro-me de ter caprichado na letra e atendendo às freqüentes solicitações (!) de minha saudosa professora, D. Mathilde Teixeira de Moraes, pingado todos os is e cortados todos os tês. Desenhei florzinhas e patinhos nos cantos da página e mostrei a carta a meu pai aguardando, ansiosa,  que ele a lesse. No entanto, ele a dobrou e me disse: isso é uma correspondência particular, vamos deixar que São Pedro a leia. Não vou negar que fiquei desapontada, esperava um elogio se não pelo texto, pelo menos aos desenhos.

Percebendo meu desapontamento, meu pai me explicou que correspondência é uma coisa preciosa e ler a correspondência endereçada à outra pessoa é tão feio como espiar pelo buraco da fechadura ou ouvir atrás das portas.

Saímos todos: meu pai, seus dois amigos e eu, colocamos o balão na carroceria da camionete de três rodas e fomos até o aeroclube, que naquela época chamávamos de campo de aviação, para soltar o balão. Meu coração sacolejava mais do que a camionete que meu pai apelidou de “mamangava”, enquanto seguíamos pela estrada de terra poeirenta e esburacada.  Não sei se eu tremia de frio ou de emoção naquele início de noite de inverno. Sei que a estrela Dalva já faiscava quando o balão finalmente saiu do chão, começou a ganhar o céu e foi subindo, subindo, subindo, levando com ele meu recado a São Pedro.

Quando o perdemos de vista, retornamos à camionete e fomos jantar no Copacabana, agora só meu pai e eu.  Pedi frango a passarinho, ele bife à parmegiana e de sobremesa ambos tomamos sorvete de chocolate, com calda quente.

Há mais de dez anos meu pai morreu. Recentemente vasculhando em seus guardados alguma referência ao mesmo aeroclube, no qual ele se brevetou em 1945, encontrei a cartinha que escrevi a São Pedro: Querido São Pedro: Feliz aniversário pro senhor também estou mandando este balão de presente que foi meu pai que fez pra mim e pro senhor. Eu queria muito que o senhor fizesse o meu pai e a minha mãe morar junto comigo de novo e queria também aquela caixa de lápis de cor de 4 partes. Obrigada da sua querida Henriette

E eu, que até então imaginava que São Pedro não gostava de balões, entendi que ele não atendeu meu pedido porque minha cartinha tinha sido interceptada. Entendi também porque, no dia seguinte, meu pai me deu outro presente de aniversário: a caixa de lápis de cor, com quarenta e oito cores.

                        Do livro Linhas Tortas (2008)

_+_+_+_   +++   _+_+_+_

Imagem: Paul Klee

cOsmOs na VaLiSe

Posted in Art, arte, conto, literatura, literature, Metalinguagem, narrativa, semiótica on 31 março, 2009 by Marco Aqueiva

Arte: collage por Marco Aqueiva à base de gaia e imagem obtida em http://lacomunidad.elpais.com/atrapadordesuenos/2008/6/15/el-aleph-borgesgaia

 

Cosmos

por Fátima Brito

 

         Nurater, terranu, arunater, ertarun… Tantas foram as minhas tentativas infrutíferas de compreender o significado daquela palavra que optei por temporariamente desistir dela. Não me dizia nada. Ela não me dizia em absoluto NADA. Nada. NADA. Saltei as palavras que a sucediam, tropeçando em busca de alguma que me comunicasse algo, um fio qualquer de sentido. Mas nada, nada era o que me restava. Todas me eram insignificantes. Sim, eu as lia sem dificuldade e as pronunciava em voz alta. Algumas vezes tive a impressão de ouvi-las ecoando no apartamento semivazio no alto da avenida Paulista. Adquiriam forma, batiam nas paredes creme e voltavam ameaçadoras para mim. 

         Eu permanecia longas horas de meu dia exercitando-me nessa busca mesmo sem acreditar na possibilidade de sucesso. Quando cansado, sentava-me diante da TV, recostava-me nas almofadas do largo sofá azul e permanecia em silêncio bebendo as saídas das bocas daquelas figuras que também me eram estranhas. Transitava com dificuldade por todos os universos em que tentava me inserir. Quando essa verdade me caía como uma agulha penetrando todo meu corpo a partir do centro da cabeça, eu optava por desistir.  Dirigia-me, após longuíssimos passos, a uma das tantas janelas que me punham em contato com o mundo, e permanecia ali, parado, durante tanto tempo que me esquecia de mim até que o calor do dia nascendo, ou o frio da noite chegando anunciava a mim mesmo minha existência. Então me dirigia até a geladeira, o microondas ou o chuveiro, de acordo com a necessidade mais premente.

         Nessa rotina que durou longos anos, aprendi a contar os passos. Da sala de jantar ao quarto, do quarto à biblioteca, da biblioteca à cozinha, da cozinha ao banheiro social, do banheiro social à biblioteca, da biblioteca à área de serviço, da área de serviço à sala de visitas, da sala de visitas à de televisão, da de televisão para alguma das janelas daquele espaço assombrado que era só o que sentia meu.

         Por todos esses ambientes, palavras escritas desafiavam-me. Ao longo dos anos, fui preenchendo cartazes com centenas delas. Quando o sulfite e a cartolina acabaram, comecei a arrancar páginas dos livros e de tantos outros documentos que habitavam aquele universo. Arrancava-as ora com pesar, ora com raiva. Então, escrevia palavras quaisquer, ouvidas desatentamente nas emissoras de TV e de rádio, nos CDS, nos DVDs, na minha mente insistente, onde elas se reproduziam sem qualquer utilidade a não ser a de confundir-me sempre mais. Às vezes, por total falta de opção saía caminhando com o telefone sem fio, ouvindo a voz eletrônica abstrusa estranha abstrusa absurda. E ria, ria tanto, mas tanto e tanto e tão contente de  não ser mesmo de uma pessoa a voz metálica afinal assustadora que vinha dali. Ria para desafiá-la, afinal ela jamais me alcançaria. De verdade? Sabia ser inalcançável. Eu não queria isso. Mas não tinha como fugir. Nenhuma voz me alcançaria por um tempo tão longo tão longo… tão longo. E tantas vozes ressoavam soavam em mim sem significado. Olhava com ódio até os quadros na parede, e quanta ânsia tive de destruir cada um dos livros que ocupavam as prateleiras daquela biblioteca tão grande, herança de família. Sim, eu permanecia entupido de palavras. Mas era só. Não mais sabia as que me pertenciam. Permaneci angustiado por essa ignorância durante algumas longas vidas.

         Essa relativa escuridão poderia ter me garantido tranquilidade, paz e até alegria. Mas não. Não me deu nada disso. Jogou-me em uma jaula na qual de quase nada valiam minha visão e minha inteligência. Sim, lógico, era sempre possível contar os passos e até quantos carros ou transeuntes passavam lá embaixo.  Do silêncio de minha janela isso era sempre muito possível. Mas era pouco para mim. Assim, segui anos de minha longa existência tentando reencontrar verdadeiramente as palavras. Agora, quase no final da vida, não devo e não quero mentir. Não consegui, mas, ainda que piegamente (você sabe o que é isso?), orgulho-me de ter insistido sem outros receptores além de mim mesmo numa empreitada absolutamente inútil para o século. Quero carregar comigo palavras que afinal me pertencem. Nada mais tenho.  Obrigado.

 

VaGaBONdageS, andaNÇaS & VaLiSeS

Posted in Art, arte, conto, literatura, literature, Nicolau Saião, prosa poética, semiótica on 11 março, 2009 by Marco Aqueiva

van-gogh_feu

(Texto original em francês seguido da tradução ao português)

 

Vagabondages

por Jules Morot

 

 

  Mes voyages sont faits d’hasards et d’ombres. Ou d’ombres et d’hasards, car la somme et la séquence des facteurs c’est parfois arbitraire. Ou ce ne sera pas ainsi?

   Au moment cela n’importe pas, maintenant ce qu’il faut d’évoquer sont les grandes présences des forêts en passant par moi, sur moi, sur ma tête, mes pieds, mes mains et mes épaules. Le vêtement qui m’habille et que de temps en temps  me laisse à nu, la mer dont je me rappelle toujours dans cet après-midi ensoleillé, à cette fin d’après-midi quand une étoile brillait déjà dans le ciel, le banc de jardin où je me suis assis un jour dans une petite terre d’Espagne, les grands feux allumés dans la montagne, les buchers qui me fascinaient, qui me laissaient surpris, car je n’connaissais pas encore le feu et son innombrable architecture pleine de terreurs et d’enchantements, la voix du vent là dehors, par les chemins de la montagne solitaires comme des fleurs dans un bois qu’on ne sait bien où il se place.

  Mes voyages sont faits d’amertume parce qu’ils ne tourneront plus jamais. Les voyages sont comme un rocher dans une forêt en silence au matin. Une forêt où des animaux sont nés et des animaux sont morts, la douceur d’un rayon du soleil ou du clair de lune sur le dos d’un loup ou d’une inconcrète apparition.

  J’ai ta main et j’n’ai pas ta main. Des images m’encerclent et sont des choses qu’ existent, du pain et de l’eau apportée des places plus éloignés et qui nous habitent. C’est mon eau intérieure, l’eau qui tu exsudes, l’eau que j’ai bu dans ton coeur, ce sont tes yeux que maintenant je ne reconnais pas, la lueur du passé.

  Les maisons qui courent à mon contour, le roulement soudain de tambours d’un train perdu et cette voix de femme en disant à l’autre, la plus jeune, la plus voyante: “C’était là notre chambre, te rappelles-tu? Ont été tant des fois que nous avons nous placé à la fenêtre, le père était encore vivant”. La mémoire qui se cache pour toujours dans un petit recoin du cerveau, comme un portrait humble au coin d’une table dans une salle très ancienne.

 

  Mes voyages sont faits de tout ce qui nous soutient et nous abandonne dans les grandes randonnées, au long d’un fleuve ou d’un désert.

  Mes voyages sont comme des livres aimés et égaux aux crimes d’un autre, quelqu’un qu’existe et n’existe pas, quelqu’un qui habite à mon intérieur et dans la poitrine que je conserve encore plongé dans ce temps, dans l’autre temps, dans tous les temps de l’univers.

in “Le mardi gras”

 

                            +_+_+_+_+_+_                   +_+_+_+_+_+_

 

 

Andanças

Tradução de Nicolau Saião

 

 

  As minhas viagens são feitas de acasos e de sombras. Ou de sombras e de acasos, pois a soma e a sequência dos factores  por vezes é arbitrária. Ou não será assim?

  Não importa de momento, agora o que é preciso evocar são as grandes presenças das florestas passando por mim, por sobre mim, por sobre a minha cabeça, os meus pés, as minhas mãos e os meus ombros. A roupa que me veste e que de tempos a tempos me desnuda, o mar que sempre recordo, naquela tarde ensolarada, naquele fim de tarde quando uma estrela já luzia no céu, o banco de jardim onde me sentei um dia numa pequena terra de Espanha, os grandes lumes acesos na serra, as fogueiras que me deslumbravam, me deixavam surpreso, pois ainda não conhecia o fogo e a sua incontável arquitectura plena de terrores e de encantamentos, a voz do vento lá por fora, pelos caminhos da montanha, solitários como flores num bosque que não se sabe bem em que lugar fica.

  As minhas viagens são feitas de amargura por não mais voltarem. São como um rochedo num bosque silente na manhã, um bosque onde animais nasceram e animais morreram, a doçura de um raio de sol ou de luar sobre o dorso de um lobo ou de uma inconcreta aparição.

  Tenho a tua mão e não tenho a tua mão. Imagens rodeiam-me e são coisas que existem, o pão e a água trazida dos lugares mais remotos e que nos habitam. A minha água interior, a tua água que ressuma, que bebi no teu coração, os teus olhos que já não reconheço, o fulgor do passado. As casas que correm ao meu redor, o rufar repentino de um combóio perdido e aquela voz de mulher dizendo para a outra, a mais nova, a mais vistosa: “Ali era o nosso quarto, lembras-te? Tantas vezes que nos pusémos ali à janela, ainda o Pai era vivo!”. A memória que se esconde para sempre num recantozinho do cérebro, como um retrato humilde ao canto de uma mesa numa sala muito antiga.

  As minhas viagens são feitas de tudo o que nos ampara e desampara nas grandes caminhadas, ao longo dum rio ou dum deserto.

  As minhas viagens são como livros amados e iguais aos crimes de outro alguém que existe e não existe, um alguém que mora dentro de mim e do peito que ainda conservo mergulhado neste tempo, no outro tempo, em todos os tempos do universo.

 

+_+_+_+_+_+_

Arte: Marco Aqueiva ao fogo de Van Gogh