Archive for the Torquato Neto Category

VaLiSeS meta-PoéTicAs XxiV

Posted in liberdade de expressão, literatura, Literatura Brasileira, Metalinguagem, Poética, poema, poesia, Poetry, semiótica, Torquato Neto on 30 maio, 2009 by Marco Aqueiva

TORQUATO

 

Pessoal e intransferível

Por TORQUATO NETO

“Escute, meu chapa: um poeta não se faz com versos. É o risco, é estar sempre a perigo sem medo, é inventar o perigo e estar sempre recriando dificuldades pelo menos maiores, é destruir a linguagem e explodir com ela. Nada no bolso e nas mãos. Sabendo: perigoso, divino e maravilhoso.

Poetar é simples, como dois e dois são quatro sei que a vida vale a pena etc. Difícil é não correr com os versos debaixo do braço. Difícil é não cortar o cabelo quando a barra pesa. Difícil, para quem não é poeta, é não trair a sua poesia, que, pensando bem, não é nada, se você está sempre pronto a temer tudo; menos o ridículo de declamar versinhos sorridentes. E sair por aí, ainda por cima sorridente mestre de cerimônias, “herdeiro” da poesia dos que levaram a coisa até o fim e continuam levando, graças a Deus.

E fique sabendo: quem não se arrisca não pode berrar. Citação: leve um homem e um boi ao matadouro. O que berrar mais na hora do perigo é o homem, nem que seja o boi.

Adeusão.”

 

.

(*)*(*)*(*)   *  *   (*)*(*)*(*)

iMAGEM: Marco aQUEIVA

 

Anúncios