Arquivo para poesia

O risco da poesia: poesia por algum risco

Posted in Sem-categoria with tags , , , , , on 20 março, 2012 by Marco Aqueiva

Imagem

i

Abramos as vidraças

Respiremos em lugar
de incêndios e fios de aço
o que escapa nos ares

sobrevivente às palavras

_____________

Mais desta série de poemas — É só clicar no link

http://www.cronopios.com.br/site/poesia.asp?id=5338 

Pego

Posted in literature, narrativa with tags , , , , , , on 1 junho, 2008 by Marco Aqueiva

por Marco Aqueiva

_________________

Guardei a escova e o creme dental. A mão deteve-se em algo pegajoso. Mas como catupiry lá dentro?!! Germes florescem sem que percebamos. Já os vejo deserdando minhas mãos da limpeza. Já os vejo alastrando poderosos a chaga que não pode jamais fechar. Já os sinto absorverem-me o sangue e as forças. O sofrimento iminente pede cautela. Como, como não me deixar contagiar pelo avanço, avanço de uns restos de catupiry sobre os dedos? Abro a valise e retiro a escova, o creme e o fio dental, linha 10 corrente, correria de crianças e um olhar melancólico atrás da vidraça, o pente, a mão retraída do menino mínimo por sua timidez, o espelho, o jardim que se ri da menina, o lenço de papel, o sonho que se dispersa ao vento, uns cacos de sombra, um temor de obscura notícia, uma agenda de telefone, uma gravura que só  então  rememorei  em sonho…

A água cristalina entre meus dedos não adivinha o sangue negro e espesso que jorra pegajoso do interior da valise.

Crédito de imagem: – A condição humana de Magritte nuns olhos curtos e deserdados de real.

 

CONTRIBUIÇÕES, SUA PARTICIPAÇÃO

Posted in literature, narrativa with tags , , , , , , on 28 maio, 2008 by Marco Aqueiva

PROJETO VALISE 2008

(4) NATUREZA: – Trata-se de um projeto literário, cujo sucesso depende da interação e contribuição dos interessados na proposta;

(3) PROPOSTA: – Para tomar conhecimento da proposta e então poder participar, leiam as condições de publicação abaixo. É conveniente que se leiam as três postagens anteriores. Preferencialmente da primeira à terceira. Depois de serem lidas, convém ignorá-las;

(2) CONDIÇOES DE PUBLICAÇÃO: – Quaisquer textos que apresentem referência à valise, registrando textualmente a importância do referido objeto. Textos que promovam a valise como portadora de um segredo de conhecimento, ou não, do narrador e da(s) personagem(ns). Não será possível que até o leitor seja portador de um segredo cujo desocultamento pode explicar melhor a história/História? Narrativas de fundo histórico serão as melhores, mas não só. Não pode um poema lírico ser um escrínio, em que propriamente a personagem é uma valise que necessita externar seus mais pungentes transes? Não se devem dispensar maiores atenções ao LÍRICO, NARRATIVO e DRAMÁTICO que só as Tábuas da Lei conflitam com a valise! A personagem, e como não seu narrador, talvez se baste a si mesmo e não é menos responsável por seus atos que o escorpião que ele sim se oculta no interior da valise. 

(1) INVESTIMENTO e RESULTADOS: – Nenhuma contribuição pecuniária é exigida. Frise-se com toda a clareza: nenhuma contribuição em dinheiro é solicitada. Por outro lado, não se podem esperar grandes resultados. Colabore com seu texto e participe de algumas discussões que desejo promover em torno dos rumos do projeto. Provavelmente, a despeito mesmo das limitações, cheguemos a um bom resultado coletivo. Uma obra efetivamente de autoria de muitos! Este resultado talvez se materialize em uma publicação: um CD-ROM deve ser considerado um bom resultado, não é mesmo?! Quem sabe cheguemos a produzir uma CÁPSULA DO FUTURO – uma cápsula de 2008 ao futuro. Eis que ela talvez possa ser encontrada daqui cem anos em alguma valise perdida em 2008…

E você, que está esperando para participar ?!

ESCLARECENDO: – postagens ocorrerão duas ou três vezes por semana (obrigatoriamente duas): terças, quintas ou sábados. Confira, portanto, as atualizações!

Desde já, meus agradecimentos,

Marco AQUEIVA
poeta e agente cultural.

Crédito de Imagem: Kandinsky (1925) entre as estações do amarelo, vermelho e azul chegando aos cem mil rádios que só-e-não se escuta.